Torres Vedras recebeu mais de 900 Catequistas na Assembleia Diocesana

Na manhã do dia 17 de abril mais de 900 catequistas, representantes de todas as vigararias do patriarcado de Lisboa, reuniram-se em Torres Vedras para a Assembleia Diocesana de Catequistas subordinada ao tema «Catequistas com Espírito: acolher o olhar de Jesus e ser dom para todos, educar para a Misericórdia».

No início do encontro o diretor do Setor da Catequese, padre Tiago Neto, afirmou desejar que este seja “um momento de encontro e mobilização para o sínodo” numa altura que é a de “construir para esta mesma caminhada”. Para o padre Tiago Neto esta iniciativa constituiu-se como um “espaço de ‘cura’ no sentido em que os agentes de pastorais se devem sentir em comunhão e assim perceber que se encontram no mesmo corpo que é a Igreja”.

Nas suas palavras iniciais de boas vindas o Cardeal-Patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente desejou que “aproveitemos com todos aquilo que ouvirmos, dizermos e rezarmos”. O prelado fez votos para que “saiamos daqui mais motivados tendo consciência de que somo s primeira linha da Igreja de Cristo. O nosso animo e motivação vão servir que que Cristo continue a ser a inspiração e o caminho para as novas gerações no século XXI”.

Depois da oração inicial a Assembleia recebeu os relatórios das análises do capítulo V da Evangelium Gaudium, apresentados por representantes de todas as vigararias do Patriarcado de Lisboa.

No final da apresentação D. Manuel Clemente agradeceu o “empenho e o trabalho de todos os catequistas da diocese” e alegrou-se “por tão rico contributo para o Sínodo diocesano”.

Catequistas refletem sobre a renovação da Catequese

Depois o almoço Maria Luísa Paiva Boleo, do Setor da Catequese de Lisboa, apresentou o documento a «catequese: a alegria do encontro com Jesus Cristo» que vai ser trabalhado pelas diferentes vigararias até ao próximo mês de junho.

O documento, formulado pela Comissão Episcopal da Educação Cristã e Doutrina da Fé (CEECDF) constitui-se como a resposta da catequese “à preocupação manifestada pelo Papa Francisco quando da visita ad limina dos bispos portugueses em setembro de 2015”. Assim os educadores da fé são convidados a “refletir sobre as dificuldades e frutos que observam e, a partir da sua experiência de base, pronunciar-se sobre as novas acentuações referidas nesta proposta em ordem a renovar a catequese”.

«A Alegria do Encontro com Jesus Cristo» compreende sete capítulos e tem incluídas questões no fim de cada capítulo. Maria Luísa Paiva Boleo recordou aos catequistas que o objetivo desta consulta é “ser lido e refletido por todos” e deixou algumas indicações práticas para o trabalho a desenvolver nos próximos meses.

A Catequese: Ato Fundamental da Igreja

Na eucaristia, e durante a sua homilia, D. Manuel Clemente, Cardeal-Patriarca de Lisboa afirmou que a catequese é o “ato fundamental da Igreja”. Na sua meditação, e partindo da 1ª leitura, retirada o livro dos Atos dos Apóstolos e que narra a viagem de Paulo e Barnabé, o prelado lembrou que “a sua catequese é a nossa: a esperança do povo Israelita estava realizada na vida, morte e ressurreição de Jesus”. Para os primeiros cristãos “Jesus Cristo não era outra religião mas o cumprimento da religião que tinham recebido dos seus pais, por isso o Messias”, precisou.

D. Manuel Clemente afirmou que o contributo “desta manhã vem nesta linha porque catequizar com espirito é estar com Deus, na aventura que vai por diante”. Foi isso que vimos “nas contribuições que trouxestes para o Sínodo diocesano. É a atualização do mesmo trabalho apostólico, da alegria pascal. Não omitindo as dificuldades mas indo adiante porque tem a certeza de que ‘isto acabará bem’”.

O Cardeal-Patriarca recordou o exemplo do Bom Pastor, presente no Evangelho deste Domingo, e afirmou-a como “a imagem mais antiga de Jesus que temos desde o início do cristianismo”. Para D. Manuel Clemente este pastor “põe-nos às costas quando estamos mais cansados, alimenta-nos e cuida de todos”. “Esta imagem deve passar e muito pelo nosso ato catequético. Os mais jovens devem olhar e captar Jesus como o Bom Pastor que todos cuida”.

No final da sua reflexão D. Manuel Clemente lembrou que “Jesus disse a todos os discípulos que ‘quem vos ouve a mim ouve’. Assim este ato de evangelizar é de todos os batizados”

“Agradeçamos aos nossos catequistas que nos guiaram. Aos nossos pais, como primeiros catequistas. A Deus pela realidade destas palavras. Que na nossa voz, nas mossas mãos, na catequese da Igreja, a realização desta parábola do Bom Pastor”.

No final da eucaristia o Padre Tiago Neto, diretor do Setor da Catequese de lisboa, agradeceu a presença “de tantos catequistas de toda a diocese” e pediu força “no caminho que temos pela frente nesta reflexão sobre a catequese e a sua renovação que nos pede a Comissão Episcopal da Educação Cristã e Doutrina da Fé”.